sábado, 22 de dezembro de 2018

MANIFESTO X CONVIDA JORGE HUMBERTO DIAS PARA DEBATE "IDEIAS PARA UM PORTUGAL MAIS FELIZ"



Já atingimos as 1475 visualizações com o vídeo da versão resumo do Debate "Ideias para um Portugal mais feliz". 

Obrigado ao Movimento X pelo convite. 

Na qualidade de independente, partilhei a minha experiência de investigador da felicidade, iniciada em 1998.

Para ver o vídeo resumo, basta clicar AQUI

Em breve. será disponibilizado o vídeo completo.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO COM JORGE HUMBERTO DIAS


Tal como prometido, aqui está o Anúncio Publicitário. 

Espero que goste. 

Para mim, foi um gosto enorme participar. 

Obrigado à Vida Macro pelo excelente trabalho e à Veedeeo Guru pelo convite. 

Se gostar, coloque um LIKE na página da Vida Macro. 😊

Página de Facebook da Vida Macro AQUI
Link do vídeo publicitário AQUI

Versão disponível no Vimeo AQUI

sábado, 15 de dezembro de 2018

WOOK CONVIDA JORGE DIAS PARA COMENTAR "A COMPANION TO APPLIED PHILOSOPHY"


Âmbitos, conceções e métodos da Filosofia Aplicada

Jorge Humberto Dias (Diretor do Gabinete PROJECT@) | 06-12-2018

Este livro ajudou-me como coordenador da Área de Investigação de Filosofia Aplicada no Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa. Organizei área, definindo como objetivo principal a promoção da investigação sobre os dois âmbitos identificados por Uniacke em "A Companion to Applied Philosophy": 1) a Filosofia Aplicada como investigação académica (artigos, conferências, investigação especializada, etc.); 2) a Filosofia Aplicada como intervenção em questões práticas da vida quotidiana (atividades profissionais e sociais, como consultoria, assessoria política e jurídica, comissões, ensino noutras áreas, etc.). Este livro não pode ser lido de uma só vez. Vou lendo à medida que os temas surgem na minha agenda de investigador. Há alguns anos que exploro a Filosofia Aplicada, mas ainda não havia um livro com tanto prestígio e impacto a organizar temas e autores. Os 3 primeiros artigos são muito bons. Ficamos a saber que a maioria dos investigadores aponta para os anos 70 como a época em que alguns filósofos começaram a institucionalizar a Filosofia Aplicada. Outros consideram que a dimensão aplicada da Filosofia sempre existiu ao longo da história. Fica também claro que existem sete conceções de Filosofia Aplicada, identificadas por Stevenson: da relevância, da especificidade, da prática, do ativista, metodológica, dos factos empíricos e da audiência. Como qualquer disciplina que seja aplicada, é essencial trabalhar modelos metodológicos. Este livro refere alguns: “top-down”, “bottom-up”, equilíbrio reflexivo, experiências de pensamento, perícia/especialização, análise conceptual, pensamento crítico, argumentação. Eu acrescentaria os métodos mais usados em Aconselhamento Filosófico: PEACE (Marinoff), PROGRESS (Lebon) e PROJECT@ (Dias). Neste livro, privilegia-se o trabalho colaborativo entre várias disciplinas científicas, que também se dediquem ao estudo de questões com dimensão filosófica. Alguns autores consideram que a existência de divergências científicas pode ser um fator negativo na objetividade e universalidade desejadas. O tópico é ainda mais pertinente para a Filosofia (Aplicada), que desde sempre se baseou no diálogo de ideias.
Poderá aceder AQUI

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

sábado, 8 de dezembro de 2018

JORGE HUMBERTO DIAS FOI CONVIDADO PARA PARTICIPAR NUM ANÚNCIO PUBLICITÁRIO

A empresa Veedeeo Guru convidou Jorge Humberto Dias para participar num anúncio publicitário.




O vídeo estará disponível no dia 17.

WOOK CONVIDA JORGE HUMBERTO DIAS PARA UM APONTAMENTO SOBRE O LIVRO "A DOENÇA DA FELICIDADE"

A Porto Editora convidou-me para escrever um comentário ao livro "A Doença da Felicidade", de Paulo Miranda.



"PENSAR A FELICIDADE AO CONTRÁRIO"

Desde 1998 que leio livros técnicos sobre a felicidade. Principalmente na área da filosofia, mas por vezes, leio também noutras áreas, como a psicologia, a economia, a política e a comunicação social.
Ler este livro de Paulo Miranda foi um autêntico exercício filosófico. Pensar na situação ao contrário. Costumo utilizar esse instrumento nas minhas consultas de aconselhamento filosófico. É muito útil para desbloquear situações, quando as pessoas sentem alguma dificuldade em desenvolver o seu pensamento na análise de uma situação da sua vida. Pensar ao contrário pode abrir um novo horizonte, uma nova perspetiva.
Seja como for, este livro não defende uma definição filosófica de felicidade, mas uma definição neurológica. E este é o ponto central da aventura.
Para quem leva a sério estes temas é importante ter em atenção que existem várias definições de felicidade e que a sua diferença é significativa quando estamos a olhar para áreas científicas também diferentes.
Uma ideia interessante é considerar que a felicidade é uma questão humana transversal, que deve preocupar os governos, as organizações e as pessoas. Neste livro, é dado mais destaque à dimensão da saúde pública.
É interessante o termo "eudaimonina", recuperado da tradição aristotélica e utilizado para denominar uma endorfina produzida pela hipófise, substância que levaria as pessoas a procurarem a felicidade. Assim surgiria a "eudaimonologia clínica".
Os sintomas da felicidade seriam uma espécie de alucinação, um delírio, que levaria as pessoas a não querem trabalhar muito, a valorizarem-se excessivamente e a não conseguirem abandonar esse desejo, nem a admitirem a doença.
O livro vale pela exploração que faz desse "novo" paradigma e pela análise de casos-de-consulta, ao mesmo tempo que desenvolve as vivências das personagens na história, transportando-nos para o seu âmago. É igualmente interessante ver os exercícios sugeridos para evitar a doença da felicidade, assim como o contributo das várias componentes da vida: fazer amor, dançar, cantar, desporto, etc.
No entanto, o autor recorda-nos sempre que não existe cura para a doença da felicidade e que a sua causa poderia estar na necessidade de suportar a dureza da vida.
Talvez por isso o medo tenho um lugar de destaque na saúde humana.
No final do livro seria interessante traçar o perfil da pessoa infeliz e saudável: Florence.
Uma conclusão: a arte só sobrevive porque é realizada por um "infeliz".

Autor: Jorge Humberto Dias

Fonte: Wook

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

FORMANDO BRASILEIRO TERMINA COM SUCESSO O NÍVEL I


Ao término deste primeiro nível do PIFEC, quero registrar meus profundos agradecimentos ao Dr. Jorge Humberto Dias, que me conduziu nesse período por uma estrada desconhecida e fascinante, a do Aconselhamento Filosófico ou Consultoria Filosófica. Serena, mas firmemente me iniciou nos arcanos da Filosofia Prática, desvelando um mundo de surpreendentes possibilidades no que tange ao reequilíbrio daqueles que se encontram descentrados. Muito obrigado, Dr. Jorge, pelo seu comprometimento com a nossa formação, pelo seu compartilhamento e sobretudo, no meu caso específico, pela sua paciência.

Edson Justino da Silva

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

O QUE SE FAZ NUMA CONSULTA FILOSÓFICA?

Às vezes perguntam-me: O que se faz numa Consulta Filosófica?

Por vezes, também me perguntam: Qual a diferença entre uma Consulta Filosófica e uma Consulta Psicológica?

A resposta não é pequena, mas é importante.

Os exemplos poderiam ser vários.

Hoje partilho um dos exercícios que fiz esta semana com um cliente.





Fonte: Punset (2017) 

Autor: Jorge Humberto Dias


WORKSHOP INTERNACIONAL EM LISBOA "HAPPINESS, PHILOSOPHY AND EDUCATION"