quarta-feira, 3 de outubro de 2018

ÉTICA APLICADA À POLÍTICA na Livraria Almedina (Lisboa)



No passado dia 3 de outubro, assistimos, na Livraria Almedina do Rato, em Lisboa, a mais um lançamento da Coleção de Ética Aplicada, coordenada pela professora Maria do Céu Patrão Neves, apoiada pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e publicada pelas Edições 70.

Paulo Trigo Pereira começou por dizer que não temos papers sobre Ética e partidos políticos. Questão de facto curiosa para a academia internacional. Para o professor, a sociedade civil é muito importante neste processo, assim como os media, que devem pressionar o cumprimento dos programas eleitorais.



Por outro lado, a especialista Marina Costa Lobo referiu que os valores, a integridade e a responsabilidade são o essencial da Ética aplicada à Política.



Entretanto, Graça Franco, Jornalista da Renascença, questionou o escrutínio da nova Procuradora-Geral da República. Sobre esse tema, Marina Costa Lobo disse que os novos nomeados deveriam ir à Assembleia da República responder a perguntas dos Deputados, com o objetivo dos cidadãos ficarem a conhecer melhor os candidatos, antes de serem eleitos ou selecionados/nomeados.



Já no momento de debate, António Correia de Campos, ex-Ministro da Saúde, e que estava no público, discordou do tom pessimista que os oradores imprimiram às suas comunicações, e considerou que houve alguma evolução em Portugal, sobretudo com o Tribunal de Contas a analisar o histórico financeiro dos nomeados. A Assembleia também chama as pessoas para audição. De referir que na atualidade, Correia de Campos é presidente do Conselho Económico e Social. Marina discorda do ex-Ministro, e considerou que existem vários problemas institucionais.



No final, Paulo Trigo Pereira defendeu a criação de cursos de Ética nas universidades e em todos os cursos de todas as áreas científicas e profissionais, assim como no ensino básico e secundário.

Sem comentários: