sábado, 23 de junho de 2018

FILOSOFIA DO AMOR EM 2 FILMES

Nas últimas semanas fui assistir a 2 filmes.
Não sei se a escolha foi intencional para o tema do amor… talvez.
Seja como for, estamos perante duas experiências completamente diferentes, e que no final, me levaram a um "diálogo" muito interessante sobre o tema.



Trailer AQUI

Neste primeiro filme, estamos perante uma relação que acontece de repente, num local paradisíaco, é um facto, mas que se torna muito intensa ao longo da magia da descoberta. Ele mantém um lado oculto, e ela investe na confiança. Há uma química difícil de explicar, que gera paz.
Por razões de ordem profissional, ele despede-se. Ao fim de 2 minutos, já estão ao telefone a manifestar saudade. Ele pergunta se ela quer que ele volte para traz. Ela recusa, pois também tem de trabalhar.
A verdade é que ele acaba por ser preso na Somália e fica incontactável. Ela não sabe de nada. Deixa mensagens no voice mail, mas a caixa fica cheia. O telemóvel está sempre desligado. Irrita-se e atira o telemóvel para o chão. Escreve poemas para ele.
No final, o realizador deixa em aberto a possibilidade dele ter sobrevivido a um ataque americano na Somália…

Questão filosófica interessante: se a vida nos der apenas 1 oportunidade para amar uma pessoa, porque não aproveitamos?





Trailer AQUI

Neste segundo filme, estamos perante uma relação que surge como resultado de um processo, mas que nasce com a identificação das almas em algumas questões essenciais para a vida. Neste caso, a paixão pela literatura e pela intensidade das suas vivências e significado.
Começando por uma troca de cartas, ela decide ir fazer uma reportagem à ilha de Guernsey sobre a situação vivida por aquela Sociedade, que se reunia para promover a vida cultural, mas também porque a isso foram obrigados ao usar como justificação a existência dessa Sociedade numa noite em que foram apanhados pela polícia nazi.
Nesse trabalho, eles acabam por se aproximar ainda mais… Ela decide não casar com o seu noivo americano e acaba por casar com o grande amor que encontrou na ilha, com o qual partilhava um forte sentimento de pertença a uma verdadeira família espiritual e de conexão.

Questão filosófica interessante: o que une realmente 2 pessoas? Parece que a resposta está numa certa magia que não podemos controlar, mesmo que queiramos.

Autor: Jorge Humberto Dias


sexta-feira, 22 de junho de 2018

PROBLEMAS PSICOLÓGICOS EM TEATRO


Na passada 4ª feira tive os deuses do meu lado. Alguém partilhou comigo o último espetáculo do dISPAr (grupo de teatro do Instituto Superior de Psicologia Aplicada).
O nome da peça era: "Rituais" (a partid do poema Bluebird, de Charles Bukowski).
Cheguei às 20h45. O início estava marcado para as 21h. Ao entrar nas Catacumbas do Liceu Camões senti logo o fresco. Fez-me lembrar aqueles ambientes mais cinzentos (como se pode reparar na foto acima), ou de hospitais psiquiátricos, ou de campos de concentração. Resumindo, a mensagem era claramente negativa, espectável.
Depois de uma breve apresentação por parte do diretor de atores (Nuno Salema), fomos entrando. Ao fundo à direita, começámos a ver as várias personagens… Cada personagem representava um tipo de perturbação psicológica, ou para sermos mais rigorosos, um tipo de personalidade com vários tipos de perturbação. Desde a baixa auto-estima, à bipolaridade, passando pela rejeição do corpo, pelo isolamento social e pelo sofrimento perante a morte. Pelo meio, encontrámos uma espécie de "curandeira", que nos convida à descoberta e interação com as personagens, dando-nos a entender que também um pouco de nós pode estar ali…
No final, reparei que estava uma senhora na assistência a chorar…

Mais informações AQUI

sexta-feira, 15 de junho de 2018

JÚRI DE MESTRADO EM GESTÃO DO POTENCIAL HUMANO NO INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO


Realizou-se hoje o Júri de Mestrado em Gestão do Potencial Humano, com uma dissertação realizada pelo Dr. Osvaldo Peuyadi: "A Ética na Gestão por Objetivos". O orientador foi o professor Casimiro Ramos, o co-orientador foi o professor Jorge Humberto Dias, o arguente foi o professor Georg Dutschke e a presidente do Júri foi a professora Leonor Almeida. Classificação final: 17 valores.

DESCONTO DE 15% EM CONSULTA INDIVIDUAL ONLINE durante a semana de 15 a 22 de junho


Faça já a marcação da sua Consulta AQUI

"Não deixe para amanhã o que pode fazer já hoje."

sexta-feira, 1 de junho de 2018