terça-feira, 4 de março de 2014

VÍDEO DA CONFERÊNCIA DO PROF. DOUTOR JORGE HUMBERTO DIAS NA UNIVERSIDADE DE LISBOA



Pode ver AQUI o vídeo da Conferência

A importância do processo narrativo na
teoria ética contemporânea de Julián Marías[1]
Jorge Humberto Dias[2] (Ph. D.)
CEFi - Universidade Católica Portuguesa



INDICE

 1- Do raciovitalismo e do personalismo ao paradigma “felicitário[1]

 2 - Dos paradigmas à epistemologia[1] da consultoria filosófica

 3 - O lugar metodológico da narrativa na filosofia original de Julián Marías

 4 - Para uma ética projetiva do “melhor”

 5 - Uma agenda ética para o século XXI

Referências Bibliográficas

----

[1] “Entendida de modo mais amplo, a epistemologia é sobre questões que têm a ver com a criação e disseminação do conhecimento em áreas específicas de investigação.” Steup, M. (2013). "Epistemology". in The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Winter 2013 Edition), Edward N. Zalta (ed.), - http://plato.stanford.edu/archives/win2013/entries/epistemology - acedido a 28 de fevereiro de 2014. Pensamos que a epistemologia da consultoria filosófica deverá ser, num futuro próximo, mais aprofundada e debatida. Brevemente, publicaremos noutro local a fundamentação teórica que realizámos em 2013.

--------

[1] Sanchéz-Gey, num estudo sobre a escola de Madrid, vem contextualizar este interesse curricular e filosófico da obra de Marías, ao recordar as principais características do pensamento espanhol contemporâneo: “Desde Séneca, passando por Vives e tantos outros, o pensamento espanhol tem como núcleo de reflexão o viver.” (Sanchéz-Gey, 2009, 221) A perspetiva de Manzano faz algum sentido: primeiro, referindo o Diccionario de filosofia de Ferrater Mora, que identifica Julián Marías como o criador da expressão «escola de Madrid», como centro filosófico, motivado pelas teorias de Ortega y Gasset e pela vida como objeto de estudo metafísico. (Manzano, 2003, 30-1) Na sua obra Historia de la filosofía, Marías tem o subcapítulo “6. A escola de Madrid”, o qual é integrante do capítulo “VII. Ortega e a sua filosofia da razão vital”, da parte “Filosofia moderna”, (Marías, 1941, 415) a qual, inclui, também, a época atual.
Em Historia de la filosofia, numa reflexão de 1965, publicada na edição americana, Marías explicita a sua formação, que nos pode ajudar a compreender, precisamente, esse conceito de escola como novo paradigma na filosofia: na disciplina de história da filosofia o docente foi Zubiri, em lógica e estética foi Gaos. Em relação às disciplinas de ética e metafísica vamos referir também os filósofos lecionados, para podermos entender o percurso intelectual de Julián Marías na elaboração da sua teoria vital e personalista sobre a felicidade: o docente de ética foi Morente e os filósofos lecionados foram: Aristóteles, Espinosa, Kant, Mill e Brentano. Na disciplina de metafísica o docente foi Ortega e os filósofos lecionados foram: Descartes, Dilthey e Bergson. Nesta disciplina, as influências são mais evidentes, sobretudo no processo de reflexão sobre a filosofia da vida, como terreno para o florescimento dos paradigmas raciovitalista e personalista. (Marías, 1965, 32) [Dias, 2013, 11-12]
Embora sem validade científica, seria interessante analisarmos o número de páginas que Marías dedica a cada filósofo, no sentido de identificarmos, talvez, a importância histórica dada pelo autor. Vejamos, a título de curiosidade, apenas alguns: Aristóteles (22), Kant (19), Ortega (17), Heidegger (14), Platão (13), Husserl (12), Hegel (12), Descartes (10). [Dias, 2013, 107]

Resumo

Pretende-se contribuir, no âmbito deste projeto de investigação, com a apresentação crítica da perspetiva de um autor contemporâneo, que se destacou na área científica da filosofia e que poderemos enquadrar no atual debate sobre o valor da individualidade narrativa. Julián Marías (1914-2005), autor de uma bibliografia considerável na área dos estudos personalistas, apresenta-nos uma visão renovada do paradigma raciovitalista orteguiano, onde a figura do eu narrativo assume destaque relevante, sobretudo nas questões de sentido prático, felicidade, projeto, e realização.
            Assim, esperamos contribuir para o enriquecimento da investigação já realizada neste projeto, propondo e aprofundando o paradigma felicitário de Julián Marías, enquadrando-o numa linha intermédia de diálogo entre analítico e continental, herdeira da viragem produzida por Dilthey e assentando-o numa originalidade fenomenológica e ontológica ainda com muitos conteúdos por explorar e relativa à tríade: filosofia-vida-felicidade (1987).
            Nessa aplicação, a narratividade pessoal (1953) desenvolve-se como uma dialética evolutiva de mesmidade (1993) e que permite algum otimismo biográfico, como construção (1996) educativa (1992), mas que desafia a filosofia a repensar o seu estatuto epistemológico no âmbito das ciências sociais e humanas, nomeadamente, com o crescendo mundial da filosofia aplicada, e onde verificamos que um dos métodos compreensivos é necessariamente narrativo (1947), embora nem sempre utilizado com as categorias adequadas.
Para Marías, a filosofia terá de efetivar-se como teoria dramática e responsável (1993), procurando estruturar-se num fundamento racional, metafísico/vital, que compreende a história como uma narração de si mesma virada para um horizonte projetivo e de convivência. 

------------

[1] Este artigo foi produzido no âmbito do Colóquio “Poética do eu: escrita e outras construções”, realizado entre 3 e 5 de Março de 2014 na Universidade de Lisboa. A investigação presente neste artigo vem na sequência do trabalho doutoral apresentado em 2013 na Universidade Nova de Lisboa, com o título “O contributo de Julián Marías para uma teoria da filosofia aplicada à questão da felicidade” e que indicaremos na bibliografia final. Neste trabalho, apresentámos uma fundamentação teórica da consultoria filosófica como uma sub-área da filosofia aplicada. Colocaremos as referências originais em parêntesis reto, para que o leitor possa situar mais facilmente o nível da investigação e argumentação. Gostaríamos ainda de agradecer ao Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa a oportunidade de colaborar no Projeto de Investigação “Ética de aconselhamento” (PTDC/FIL/119527/2010), permitindo e enquadrando o estudo que agora apresentamos. No capítulo final, desenvolveremos um pouco mais o estudo de 2013, indicando novas aplicações da teoria de Julián Marías, nomeadamente, na reflexão que temos realizado sobre o Relatório Mundial de Felicidade 2013, promovido pela ONU e publicado pela Sustainable Development Solutions Network.

[2] Membro do Conselho Científico da HASER - Revista Internacional de Filosofia Aplicada; Conferencista convidado na XI International Conference on Philosophical Practice, Kangwon National University; doutorado em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa; foi docente convidado na Universidad de Sevilla e na Universitat de Barcelona; colabora no Grupo de Investigação: «Filosofía Aplicada: Sujeto, Sufrimiento y Sociedad» (Sevilla); investigador auxiliar do CEFi (Universidade Católica Portuguesa), no projeto "Ethics for Counseling"; co-autor do livro Felicidad o Conocimiento?. Colección Universidad. Sevilla: Doss Ediciones; Prefácio do livro Crowley, E. (2010) Upside Down World. American Book Publishing; última entrevista na TV: RTP 1, 21/11/2013. E-mail: gabineteproject@mailworks.org.
Enviar um comentário