sexta-feira, 4 de setembro de 2009

FELICIDADE OU VERDADE?

Qual deverá ser o objectivo principal de uma Consulta Filosófica? A Felicidade ou a Verdade?

Deixe-nos o seu comentário abaixo, por favor.

É para nós importante promover o debate sobre esta questão.

Muito obrigado pela sua participação e interesse.

4 comentários:

jorgeferrorosa disse...

Felicidade e Verdade são duas palavras muito fortes e que nos conduzem para múltiplos campos, ilustram essas vertentes milhares de exemplos, desde a Teologia à Ética e outras disciplinas. Mas, vamos falar então… quem procura uma consulta filosófica é por alguma razão, uma causa específica, seja a busca da felicidade ou da verdade, tendo em conta a sua natureza, entendo que a felicidade é o bem mais desejado e caminho tal é veiculado pelo poder racional da filosofia, não menosprezando a verdade como estado de concordância do sujeito consigo mesmo.
No aconselhamento filosófico, tendo este a tónica sobre o bem-estar do homem e fim ultimo, a felicidade, penso que a felicidade é o objectivo máximo a que se aspira, independentemente do modo como se lá possa chegar, daí a consulta filosófica; nem todos são detentores do conceito de filosofia ou se o pensam ter, podem seguir uma linha diferente. A grande questão é como posso ser feliz? Pois se não sou, o que posso fazer para poder vir a ser» o estado de felicidade enquadra em si um estado específico de espírito; como atingir um estado de plenitude, um contentameto total ou uma beatitude? Verdade ou Felicidade? Será que pela verdade sou feliz? A que me conduz a verdade? A verdade diz e a felicidade proporciona-me um estado de espírito e a partir de estar bem, posso compreender a verdade! E numa consulta de filosofia o que é mais eficaz? Vamos dialogar… Qual o objectivo dessa mesma consulta? Certamente será a felicidade; o modo como lá chegar, dialogando com o paciente, com o intuito de procurar o equilíbrio quer seja físico e psíquico, eliminando todo o mau estar existente, dai, a felicidade equiparar-se à ausência de perturbação; felicidade é como o Sol, é luz, ilumina, é bem supremo, está para lá do ter ou não ter bens materiais. Quem não está feliz ainda que conheça a verdade o seu estado interior carece de preenchimento, de harmonia, está desafinado, em dissonância consigo e com o mundo. Note-se que ainda que exista a concordância da adequação, coisa com o intelecto o sujeito pode não se encontrar feliz, dai necessitar uma outra resposta e o aconselhamento filosófico por parte do mestre pode ajudar-te a conhecer, obtendo respostas credíveis para a caminhada da felicidade. Partimos da verdade para chegar à felicidade, como objectivo final. Só o próprio sujeito conhecendo-se a si próprio, como adverte o Filósofo Sócrates, possibilita ir ao encontro da felicidade, desbravando terrenos, coisa que nem sempre é fácil.
Abraço do Jorge Ferro Rosa

. disse...

Olá Jorge Rosa,

Muito obrigado pelo seu contributo. De facto, o seu comentário assume quase a função de um pequeno artigo.
E nesse sentido, podemos dizer que atingimos já um importante objectivo do nosso Gabinete.
A questão de fundo está na prioridade a dar ou, doutro modo, na quantidade estatistica: será que existem mais pessoas a procurar a felicidade ou mais pessoas a procurar a verdade?

edu disse...

Será que existem mais pessoas a procurar a felicidade ou mais pessoas a procurar a verdade?

Muita gente vive seguindo uma imagem da felicidade, imagem essa que é criada de "coisas" que alegram e dão cor à vida... é uma imagem que dá força a muita gente para seguir em frente. Infelizmente nem sempre a felicidade é completa, ou pelo menos é o que se diz... ao fim ao cabo a felicidade é relativa a cada um de nós. Acho que de forma superficial maior parte das pessoas procura a felicidade... mas penso que no fundo muita gente procura a verdade... porque a felicidade pode não ser realizavél, a imagem que almejamos pode ser vaga, pode não nos preencher ... podemos passar uma vida a seguir algo e estar errados o tempo todo... O medo de errar e não saber leva a pensar no que é a verdade (ou o correcto). falo por mim é claro ;) melhores cumprimentos.

Eduardo Fernando Freitas Alves

. disse...

Eduardo, a sua reflexão é legitima. Mas na realidade, não sabemos se existe algum estudo estatístico sobre o assunto...

Cumprimentos.

GP.