terça-feira, 29 de janeiro de 2008

EXERCICIO FILOSÓFICO: «PENSAMENTO VIVO»

Hoje, propomos outro exercicio filosófico:


1º visualizar o Documentário: «Agostinho da Silva, Um Pensamento Vivo, realizado por João Rodrigo Mattos e produzido pela Alfandega Filmes, em 2004 (versão DVD) - narrador: Luis Miguel Cintra;

2º Elaborar um resumo das principais ideias filosóficas do Filósofo português e dos acontecimentos que marcaram a sua vida. Pedir o mesmo a um (a) amigo (a);

3º Dialogar com um (a) amigo (a) sobre o resumo elaborado, tendo em conta os seguintes aspectos:
- Pedro Agostinho, Antropólogo no Brasil e filho do Filósofo português, conta-nos que o seu pai foi preso pela PIDE devido aos seus ideais e à coragem de expressar o seu pensamento.
- Mário Soares, Politico português, conta-nos que o Professor Agostinho da Silva foi preso pela publicação de um Caderno intitulado «O Cristianismo».
- Sabe-se que depois de liberto, Agostinho da Silva foi para a Praia da Rocha, em Portimão (Algarve)
- João Ferreira, Teólogo, conta-nos que o Filósofo português jamais venderá a sua liberdade...
- José Blanco, da Fundação C. Gulbenkian, conta-nos que foi o Brasil que ganhou com o trabalho de Agostinho da Silva, mas Amândio Silva, da Fundação Luso-Brasileira, considera que Portugal não perdeu nada, pois o Filósofo português nao teria conseguido fazer em Portugal o que fez no Brasil.
- A verdade é que Agostinho da Silva já não conseguia respirar o ar de Portugal - diz o narrador;

(CONTINUA...)

FONTE da Foto: Associação Agostinho da Silva

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

EXERCICIO FILOSÓFICO: «À PROCURA DA FELICIDADE»


Se é uma pessoa interessada na aplicação das competências Filosóficas, sugerimos-lhe um bom exercicio filosófico:

1º Veja o filme «À Procura da Felicidade», com Will Smith (poderá encontrá-lo em DVD, num Clube de Video);

2º Elabore um texto, que resuma a definição de Felicidade presente no filme (pressupondo que o realizador tentou transmitir-nos uma definição especifica);

3º Pesquise na internet ou em livros e enciclopédias, outras definições de Felicidade; se preferir, solicite a um (a) amigo (a) que lhe apresente a sua definição de Felicidade;

4º Compare as diversas definições; no caso de ter optado fazer este exercicio com um (a) amigo (a), inicie um diálogo comparativo sobre as definições;

5º Retire uma conclusão, analisando as seguintes questões: a) Existe uma definição de Felicidade que possa ser considerada a melhor? Justifique. b) Como poderemos aplicar uma definição de Felicidade à realidade da nossa vida? c) Poderemos considerar que a Filosofia foi importante neste processo?

Para fazer este exercicio, deverá conhecer, pelo menos, algumas das competências filosóficas elementares.

BOM EXERCICIO!!!

MATEMÁTICA APLICADA À VIDA


Na sequência do que dissemos ontem, gostariamos de dar a conhecer esta obra, com um titulo deveras interessante e que nos permite um debate muito profícuo sobre a importância da «APLICAÇÃO» do saber à realidade concreta dos seres, humanos e não-humanos.


O livro tem como titulo: «Matemática Aplicada à Vida», foi publicado pela Revista de Matemática Aplicada e tem a autoria de Prandiano.


Para mais informações, consulte: TRAÇA

AS ÁREAS MAIS APLICADAS DA FILOSOFIA


Num texto do professor Desidério Murcho, encontramos uma referência muito interessante sobre a Filosofia Aplicada, que gostariamos de partilhar. A reflexão inicia-se e o diálogo sobre a questão desenvolve-se...

"(...) As áreas mais aplicadas da filosofia, como a ética, a filosofia da arte ou a filosofia política, têm relações óbvias e importantes com o mundo social, político e artístico. Livros como Ética Prática ou Um Só Mundo, de Peter Singer, assim como Sobre a Liberdade, de John Stuart Mill, ou Uma Teoria da Justiça, de John Rawls, mostram bem a importância prática de algumas áreas da filosofia.
Mas seria um erro inferir que a filosofia é importante só porque algumas das suas áreas têm aplicação prática. A filosofia é importante pura e simplesmente porque os problemas filosóficos estão aí e não desaparecem se deixarmos de pensar neles. De modo que a melhor resposta à pergunta “Por que fazes filosofia?” é paralela à resposta que dão os alpinistas quando lhes perguntam para que raio se dão ao trabalho de escalar montanhas: “Porque há montanhas”."

Para ler o texto completo, consulte: De Rerum Natura
Fonte da foto: Webboom

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

MANUEL CONDE

Hoje, gostariamos de lhe dar a conhecer o trabalho do Professor Manuel Abraham Paz-y-Miño Conde, num país que, para muitos portugueses (e europeus) é, quase, desconhecido ao nível da sua produção filosófica.

Em Agosto de 2007, Manuel Conde criou uma Página WEB sobre Filosofia Aplicada.

O mundo de hoje tem mostrado a importância das ciências aplicadas à realidade, ou seja, aos problemas concretos das pessoas, das instituições, das situações. À semelhança do que aconteceu com a Matemática Pura, aparecendo nos curriculos escolares como Matemática Aplicada às Ciências Sociais, a Filosofia Pura tem aparecido no mundo académico, social e profissional como Filosofia Aplicada...

Manuel Abraham Paz-y-Miño Conde frequentou, em 1978, a Escola de Medicina da Universidad Nacional Mayor de San Marcos. Obteve a licenciatura em Filosofia na mesma Universidade em 1992. Realizou o Mestrado em Educação na Universidad Nacional de Educación E. Guzmán y Valle, em 2006.



Foi professor de Filosofia na Universidad Nacional de Educación E. Guzmán y Valle, na Universidad Privada César Vallejo, no Instituto de Educación Superior Pedagógico San Marcos, na Universidad Nacional Federico Villarreal, na Universidad Alas Peruanas.

Actualmente, lecciona Filosofia na Universidad Ricardo Palma.

CONSULTE AQUI A SUA PÁGINA SOBRE FILOSOFIA APLICADA
Original, foi a publicação do «Manifesto por uma Filosofia Aplicada»

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

PLATÃO FOI FELIZ?



Numa entrevista ao Jornal «El Mundo», Lou Marinoff responde a uma questão pertinente, colocada pelo jornalista espanhol:




"8. ¿Platón fué feliz?
Buena pregunta. Habría que preguntárselo a él. No creo que fuera feliz todo el tiempo. Vivió en una época muy difícil, vió cómo su civilización fue casi destruida por la guerra, vió cómo su profesor Sócrates fue ejecutado y ésto le dió mucho que pensar. Creo que su estudiante Aristóteles era más feliz."

Leia aqui a entrevista completa: El Mundo

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Porque razão Lou Marinoff saiu da ASPCP?

Em entrevista ao Jornal «O Primeiro de Janeiro», Lou Marinoff explica-nos porque saiu da ASPCP:

"Jornalista: Qual a razão da ruptura com a ASPCP?

Lou Marinoff: Porque a ASPCP é académica...

Jornalista: E você não é um académico?

Lou Marinoff: Sou, mas precisamos de mais do que isso. Necessitamos de uma associação profissional. Da mesma forma que os futuros médicos vão para uma universidade de medicina realizar os seus estudos e, no entanto, depois têm de contactar com a realidade. Ou seja, necessitam de prática. O mesmo acontece com os conselheiros filosóficos. E eles têm de ser representados por uma associação profissional."

Leia aqui a Entrevista completa: Primeiro de Janeiro